Saúde

Por que a reeducação alimentar é melhor do que fazer dieta?

A batalha com o excesso de peso (mesmo que ele signifique apenas alguns quilinhos extras) é um dos desafios da sociedade moderna. Com o avanço da tecnologia em todos os aspectos do dia a dia (no trabalho, para se deslocar de um local para o outro e até para tarefas em casa), é natural que tenhamos cada vez menos capacidade de gastar calorias de maneira eficiente na rotina.

O grande problema é que nossos hábitos alimentares não acompanharam a redução de gasto calórico, fazendo com que muitos consumam mais energia durante o dia do que realmente precisam. O resultado? Ganho involuntário – e indesejado – de peso.

Para solucionar essa questão de maneira rápida e eficiente, as pessoas acabam optando por fazer dieta restritiva, que, geralmente, tem baixíssimo valor nutricional e calórico. Mas essa não é a melhor opção para quem quer perder peso (mesmo que pouco) de maneira saudável e perene.

Nesse artigo, explicamos porque a sua aposta para manter o peso ideal deve ser na reeducação alimentar e não a escolha de fazer dieta restritiva. Acompanhe.

 

Como funciona o nosso organismo?

Explicando de maneira simples, podemos pensar que o nosso organismo funciona como uma fórmula matemática quando o assunto é ganho de peso. Primeiro, é preciso entender que precisamos de energia metabólica para manter o organismo funcionando. Essa energia, basicamente, são as calorias que o corpo consome diariamente para realizar suas atividades metabólicas.

Podemos dividi-la em duas:

  • A taxa metabólica basal: que é a necessária para manter as atividades básicas do corpo funcionando (respiração, batimentos cardíacos, absorção de nutrientes);

  • Taxa de atividades diárias: que é a energia extra utilizada por nosso corpo para realizar as outras atividades que não são consideradas basais para a sobrevivência (como andar, pensar, estudar, se exercitar).

A soma dessas duas energias resulta no gasto calórico total diário, que é o que o organismo consegue utilizar de calorias para se manter saudável. E é por meio da alimentação que garantimos a ingestão das calorias necessárias para abastecer essa necessidade diária.

A partir daí, é fácil entender que, quando ingerimos menos calorias do que o nosso corpo precisa, ele utiliza as suas reservas energéticas (gorduras e músculos) para produzir o volume faltante – o que leva a uma perda de peso natural. Da mesma maneira, quando ingerimos mais do que o necessário, esse excesso vira um “estoque”, na forma de células de gordura que, consequentemente, aumentam o peso corporal.

 

Por que as dietas são tão eficientes no curto prazo?

Fazer dietas restritivas, e muitas vezes radicais, é uma alternativa reconhecidamente eficiente na perda de peso a curto prazo, e é fácil entender o porquê elas funcionam tão bem dentro deste objetivo.

Como vimos, toda a rotina alimentar que resulta em ingestão de calorias menor do que o gasto calórico total de um indivíduo vai estimular a perda de peso. Essa é, inclusive, a teoria utilizada para qualquer tratamento nutricional para controle de peso corporal.

O grande problema de fazer dieta restritiva é que a redução da ingestão calórica acaba sendo de maneira extremamente radical, nem sempre levando em conta fatores como o hábito alimentar do indivíduo, ou a redução da ingestão de vitaminas, minerais e outros nutrientes essenciais para a saúde. Por isso, se perde muito peso muito rapidamente, mas, também, a saúde e a qualidade de vida ficam comprometidas.

Quais são as desvantagens de optar por fazer dieta radical para perder peso?

A opção de fazer dieta radical para perder peso pode vir acompanhada de muitas desvantagens:

  • A restrição de alimentos, ingredientes ou nutrientes pode tornar a alimentação pouco versátil e difícil de manter por longos períodos;

  • A grande redução de ingestão de calorias também resulta na queda de ingestão de nutrientes essenciais para a saúde;

  • Os sintomas da baixa ingestão de calorias são sentidos de maneira mais intensa nesse tipo de alimentação restritiva: muita fome, sensação de fraqueza, dores de cabeça, baixa produtividade e capacidade de concentração;

  • Por não conseguir fazer dieta restritiva por muito tempo, pessoas que perdem peso rapidamente com esse tipo de alimentação logo voltam a comer muito, ganhando peso em uma velocidade ainda maior. Esse sintoma é conhecido como o efeito-sanfona.

 

Reeducação alimentar: o que é?

A reeducação alimentar é um tratamento nutricional que também trabalha com a redução da ingestão de calorias diárias, porém de uma maneira muito mais alinhada com o perfil de consumo do indivíduo, suas necessidades nutricionais e objetivos de saúde.

Para poder fazer a reeducação alimentar da maneira certa, é preciso que o profissional responsável por essa orientação (o nutricionista ou um médico nutrólogo) faça um estudo completo dos hábitos alimentares do indivíduo, para entender o que precisa ser mudado e o que pode melhorar.

A partir desse conhecimento, pequenas alterações realizadas dentro do hábito alimentar do indivíduo ajudam a reduzir o consumo de calorias de uma maneira eficiente, porém sem prejudicar sua relação com a alimentação. Na reeducação alimentar não existem alimentos, nutrientes ou ingredientes proibidos. Nesse tipo de abordagem, é feita uma reavaliação e redistribuição do cardápio, favorecendo que o indivíduo consuma todos os alimentos da maneira e no volume corretos.

Exatamente por fazer mudanças pontuais e graduais é que a reeducação alimentar promove a perda de peso em longo prazo – e não rapidamente como quando se decide fazer dieta radical.

 

Por que optar pela reeducação alimentar?

Optar pela reeducação alimentar é uma estratégia para quem quer mudar a relação com a alimentação de maneira eficiente e duradoura. Apenas com esse tipo de abordagem é possível aprender a comer de tudo, porém sem medo de que os exageros resultem em ganho involuntário de peso.

Além disso, a reeducação pode auxiliar na melhora da qualidade das refeições, aumentando a ingestão de nutrientes que são essenciais para a saúde. Dessa maneira, sem falar na melhora da disposição e qualidade de vida, você terá, também, uma imagem mais saudável, com pele, cabelos, unhas mais bonitos e viçosos.

Apostar na reeducação alimentar é a melhor maneira de garantir o peso corporal desejado, mantendo saúde, qualidade de vida e gosto pela alimentação (afinal, comer também tem caráter social no nosso dia a dia, não é mesmo?).

Alguma vez você já decidiu fazer dieta radical e restritiva? E reeducação alimentar, já testou? Conte para a gente um pouco sobre suas experiências e até a próxima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *