Saúde

Nutracêuticos: O que são e como eles te ajudarão?

Manter uma alimentação saudável pode demandar diversos cuidados. São muitos os aspectos que, hoje, a ciência e a medicina entendem como essenciais para a manutenção de uma alimentação equilibrada e capazes de fornecer saúde – não apenas agindo preventivamente no desenvolvimento de quadros clínicos específicos, como também no tratamento de condições crônicas de saúde.

Dentro desse cenário de descobertas no universo da alimentação e nutrição, os nutracêuticos têm sido apresentados como a principal novidade desse mercado – e, por isso, chamando a atenção de pacientes e especialistas.

Você já ouviu falar sobre nutracêuticos? Sabe o que eles são e como podem lhe ajudar a cuidar da saúde? Acompanhe o artigo de hoje e tire todas as suas dúvidas. 

Nutracêuticos: o que são?

O termo nutracêutico não é usado para classificar um alimento específico, mas, sim, suplementos alimentares que contêm, quando concentrados, um composto bioativo capaz de melhorar a saúde de um indivíduo, independentemente da ingestão de um alimento em conjunto.

Ficou confuso? Em resumo, os nutracêuticos são componentes alimentares que, isoladamente, são funcionais quando ingeridos na alimentação. Ou seja, eles são nutrientes, vitaminas, minerais e outros compostos encontrados em alimentos que, oferecidos isoladamente para um indivíduo, são capazes de promover benefícios para sua saúde.

Os conhecimentos e descobertas sobre os nutracêuticos começaram a ser explorados no mundo oriental. No Japão, o Ministério da Saúde local criou uma categoria específica de produtos alimentares para os nutracêuticos, chamada de FOSHU (Alimentos para uso medicinal específico ou, em inglês, Food For Specified Health Use). Esses produtos eram compostos e suplementos desenvolvidos especificamente para melhorar, ativar ou suprir alguma deficiência do organismo quando o assunto era o controle da saúde.

Por que os nutracêuticos são valorizados?

Agora, fica fácil entender porque o mercado alimentício, de saúde e os profissionais do ramo têm valorizado tanto a comercialização desses produtos, não é mesmo? Eles têm potenciais efeitos terapêuticos e nutricionais poderosos, que podem resultar em benefícios quase que imediatos para a saúde de quem opta por acrescentá-los na alimentação.

Após a revelação de sua descoberta, não apenas os consumidores se sentiram interessados em usufruir dos benefícios desses compostos naturais, mas também os profissionais da saúde, que passaram a estudar como a administração desses nutrientes e compostos alimentares refletem de maneira positiva na saúde de seus pacientes.

Alimentos funcionais e nutracêuticos são a mesma coisa?

Se você já está habituado a pesquisar e se interessar por assuntos relacionados à saúde e nutrição, muito provavelmente deve estar se perguntando se nutracêutico não é apenas só mais um nome dado ao que a ciência da nutrição chama de alimento funcional. A resposta, entretanto, é negativa. Alimentos funcionais e nutracêuticos podem, inicialmente, parecer semelhantes, mas são dois produtos completamente diferentes.

A definição de alimentos funcionais, de acordo com o Ministério da Saúde brasileiro e com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (a ANVISA), é que eles são “alimentos que melhoram ou afetam a função corporal, além do seu valor nutricional normal”. Esses produtos são, portanto, alimentos completos que podem fornecer benefícios para a saúde por meio de sua ingestão. Os alimentos funcionais, além de reduzir riscos de doenças e melhorar a saúde, também têm como função nutrir e alimentar o organismo.

Os nutracêuticos, por sua vez, são compostos isolados (e não alimentos completos) que favorecem a saúde após sua ingestão. Eles podem ser ácidos graxos (como o ômega 3), pigmentos (como o licopeno) ou até mesmo enzimas. Geralmente, são oferecidos para pacientes na forma de suplementos ou cápsulas, para favorecer seu efeito concentrado em prol da saúde.

Quais são os nutracêuticos mais comuns?

Vários são os nutracêuticos que, hoje, são utilizados no tratamento nutricional de pacientes com diversas condições clínicas. Abaixo, citamos alguns dos exemplos mais comuns:

  • Resveratrol (encontrados no vinho)

  • Fitoesteróis (encontrados na uva e no vinho tinto);

  • Ômega 3 (presente em peixes);

  • Licopeno (pigmento do tomate);

  • Betacaroteno (encontrado na cenoura e alimentos de coloração laranja ou amarela);

  • Quitosana (encontrada em crustáceos);

  • Fibras alimentares (encontradas em alimentos vegetais);

  • Minerais, vitaminas e antioxidantes (encontrados em vários alimentos de origem animal e vegetal).

Como adicionar os nutracêuticos na alimentação?

A adoção dos nutracêuticos na alimentação pode ser feita de duas maneiras: por meio do consumo de um alimento que contém esses nutrientes ou fazendo uso de compostos isolados desses componentes (como cápsulas e suplementos).

Apesar da ingestão dos alimentos fontes de nutracêuticos ser, inicialmente, uma maneira mais prática de garantir o consumo desses compostos benéficos para a saúde, essa, nem sempre, é opção que vai oferecer a maior possibilidade de absorção desses nutrientes.

Por isso, para quem quer garantir a ingestão do volume correto de nutracêuticos na sua rotina alimentar, o uso de suplementos e cápsulas isoladas desses compostos pode ser uma alternativa mais interessante. Além do benefício da administração (que é mais simples, pois basta adicionar o suplemento na alimentação ou ingerir uma cápsula), é possível garantir maior aproveitamento do organismo quando os compostos são oferecidos dessa maneira, já que são mais facilmente absorvidos.

Quem pode fazer o uso dos nutracêuticos?

O uso dos nutracêuticos na alimentação só pode ser iniciado após a constatação de uma necessidade nutricional do paciente. Exatamente por isso, a prescrição e recomendação das cápsulas ou suplementos de nutracêuticos devem ser feitas por profissionais da área da saúde, como médicos e nutricionistas.

Inicialmente, não existe contraindicação para o uso desses compostos para quem não manifesta algum tipo de intolerância ou alergia aos mesmos. Entretanto, apenas um profissional da saúde vai saber indicar exatamente qual nutracêutico um determinado paciente poderá utilizar para garantir os seus benefícios ao organismo. 

Os nutracêuticos são uma descoberta da ciência da nutrição que vai se tornar cada vez mais comum no dia a dia dos profissionais da saúde que trabalham com alimentação. Dessa maneira, também será maior o volume de pacientes que poderá contar com os benefícios desses compostos nutricionais isolados para a sua qualidade de vida e saúde.

Você já tinha ouvido falar em nutracêuticos? Compartilhe com a gente suas dúvidas e curiosidades sobre esse assunto tão atual pelos comentários e até a próxima. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *