Afinal de contas, jejum intermitente funciona?

Afinal de contas, jejum intermitente funciona?

Cuidar da alimentação é essencial para garantir a forma física adequada e a saúde durante toda a vida. Por isso é que alternativas alimentares, como as dietas, sempre surgem como uma das opções mais eficientes para controle de peso e dos vários indicadores bioquímicos e clínicos da nossa saúde.

Dentre esses cuidados, o jejum intermitente é visto, hoje, como a opção mais eficiente, tanto para garantir os resultados desejados, como para não afetar de maneira significativa a saúde após a adoção de restrições alimentares.

Mas esse tal de jejum intermitente funciona mesmo? Nesse artigo, vamos explicar exatamente como se dá essa prática, quais são suas premissas e resultados esperados na saúde. Confira. 

O que é o jejum intermitente?

O jejum intermitente funciona, e é uma prática alimentar que tem como objetivo a não ingestão de alimentos ou líquidos durante um determinado período de tempo, para incentivar a perda de peso de forma natural e saudável.

De maneira mais simples, o jejum nada mais é do que o momento entre uma refeição e outra, em que não é realizado nenhum tipo de ingestão alimentar. Por isso, podemos dizer que todos nós, de alguma maneira, realizamos um determinado período de jejum durante o dia, já que sempre passamos um intervalo sem nos alimentar.

A diferença entre esse jejum do nosso dia a dia para o intermitente é que, no segundo caso, o período sem alimentação pode ser maior e, consequentemente, mais eficiente para a perda de peso do organismo.

A termo intermitente ajuda a entender como esse tipo de jejum é realizado na rotina alimentar do indivíduo: os jejuns de longas horas são intercalados por um período de alimentação controlada, com o intuito de incentivar o organismo a usar a massa gordurosa como fonte de energia e, dessa maneira, preservar a massa muscular.

O tempo de jejum pode variar de acordo com cada paciente e, principalmente, com a orientação do profissional da saúde responsável por acompanhar o indivíduo durante essa prática. Mas, de maneira geral, o jejum intermitente funciona no período entre 10 e 24h.

Quais são suas premissas?

O jejum intermitente funciona, e sua premissa é que essa é uma prática alimentar que sempre fez parte da vida do homem. Desde que a nossa espécie surgiu no planeta, fomos obrigados a enfrentar períodos de jejum, especialmente quando éramos responsáveis por caçar o que iríamos comer.

Com o passar do tempo, as rotinas foram se tornando cada vez mais sedentárias e o hábito de caçar para comer foi trocado pela aquisição dos alimentos em mercados e supermercados. Por isso, ficar em jejum não era mais uma necessidade, já que existia a possibilidade de se alimentar sempre que a fome resolvesse aparecer.

A grande questão é que, junto com o desaparecimento da prática do jejum, começaram, também, os problemas com o excesso de peso, afinal, o homem passou a comer mais simplesmente porque os alimentos sempre estavam disponíveis. 

Por isso é que o jejum intermitente funciona, e os seus defensores acreditam que retomar esse hábito é uma maneira de forçar seu organismo a recuperar suas práticas ancestrais e utilizar suas reservas energéticas da maneira correta – com benefícios para a forma física e para a saúde.

Como o jejum intermitente funciona?

Para realizar o jejum intermitente, é preciso, portanto, encontrar um profissional da área da saúde e que trabalha com alimentação, que possa lhe indicar exatamente como seguir essa prática de maneira segura e saudável. Esse profissional será responsável não apenas por definir o seu tempo de jejum entre as refeições, mas também o que você vai consumir nos períodos de alimentação.

O método mais tradicional é o que o paciente realiza 12 horas de completo jejum, e a outra metade do seu dia consumindo refeições equilibradas. A prática é, geralmente, executada no período da noite – para facilitar o controle da fome durante o sono – e a alimentação equilibrada é feita durante o dia.

Para quem já tem a prática incorporada na sua rotina, o jejum intermitente funciona, e o de 24h é uma boa opção. Nesse método, mais radical, o paciente passa dois dias da semana intercalados em jejum completo, enquanto, nos outros dias da semana, a alimentação é feita de maneira equilibrada.

Durante o período de jejum prolongado (acima de 4h), o organismo consegue ativar o metabolismo para mobilizar as reservas de gordura no corpo e, por isso, a perda de peso é tão eficiente nessa prática alimentar – ou seja, o jejum intermitente funciona, mesmo.

O acompanhamento profissional é importante porque o período de jejum também pode expor o organismo a riscos de saúde indesejados, como um quadro de hipoglicemia, dores de cabeça, sensação de cansaço, prostração, queda da pressão e, é claro, fome.

Como é a alimentação que intercala os períodos de jejum?

O controle da alimentação que intercala os períodos de jejum é importante para garantir a manutenção dos resultados corporais oferecidos pela ausência da ingestão de alimentos. Por isso, se engana quem pensa que é permitido comer tudo o que vê pela frente quando o intervalo de jejum acaba.

A alimentação na prática do jejum intermitente é focada no consumo de alimentos naturais e ricos em fibras alimentares, que atuam diretamente na sensação de saciedade – auxiliando, portanto, o indivíduo a sentir menos fome durante o intervalo sem comida.

Além disso, esses alimentos precisam ser fontes ricas de nutrientes para manter o organismo saudável e nutrido durante todo o tempo. Por isso é que vegetais, legumes, frutas, carnes magras e cereais integrais são os produtos indicados para compor a alimentação de quem realiza essa prática.

O uso de shakes emagrecedores pode auxiliar no equilíbrio dessa alimentação rica em nutrientes e fibras alimentares, visto que esses produtos contam com as características essenciais para o período de refeições do jejum intermitente. Os chás também podem ser bebidas interessantes para o período de jejum, em que a ingestão de calorias está proibida, mas a de líquidos é incentivada.

Quem pode fazer o jejum intermitente?

Apesar de ser uma prática recomendada por muitos profissionais da saúde, alguns indivíduos devem evitar seguir o jejum intermitente, por expor o organismo a situações extremas que podem ser de difícil controle para eles.

Gestantes, lactantes, crianças, pacientes com doenças crônicas não transmissíveis (como diabetes e hipertensão), adolescentes ou pacientes diagnosticados com distúrbios alimentares ou psiquiátricos não devem ser orientados para realizar esse tipo de prática alimentar. O motivo é que eles podem sofrer consequências mais graves de saúde com os longos períodos sem alimentação, colocando em risco o seu bem-estar e saúde.

Para todos os outros indivíduos que não têm diagnósticos similares aos apresentados acima, o jejum intermitente funciona é totalmente seguro, se realizado com acompanhamento profissional.

Você conhecia essa prática? Já teve resultados positivos? Conte para a gente pelos comentários e até a próxima. 

Deixe uma resposta

Fechar Menu